Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

[Conto chinês] Uma encantadora face entre as flores de pêssego – Ren Mian Tao Hua

A escrita chinesa dessa história chinesa “Uma encantadora face entre as flores de pêssego” – “Ren Mian Tao Hua” é 人面桃花, e Pin Yin rén miàn táo huā. Durante a Dinastia Tang, na cidade chinesa de Bao Lin, havia vivido um jovem homem da nobreza chamado Cui Hu, o qual era reconhecido pelos seus talentos literários. Um dia, ele foi à Chang An, a capital de Tang para participar do exame imperial, porém o resultado foi extremamente decepcionante: ele falhou em passar nisso. Para aliviar seu tédio, ele foi aos subúrbios para um passeio no seguinte Festival do Brilho Puro. No início da primavera, o cenário do interior estava lindo, mas Cui Hu não estava a fim de apreciá-lo. Umas poucas horas mais tarde ele se encontrou em um quintal localizado à margem de uma pequena e silenciosa vila. O portão estava fechado; próximo a ele haviam pessegueiros completamente desabrochados e as flores cor de rosa mostravam-se radiantes, contrapondo-se ao muro branco do quintal. Estando cansado e com sede, Cui Hui…

[Origem da Expressão] “A caneta produzindo flores” – “Miao Bi Sheng Hua”

A escrita chinesa de “A caneta produzindo flores” – “Miao Bi Sheng Hua” é 妙笔生花, e Pin Yin miào bǐ shēng huā.

Ji Shao Yu (纪少瑜) foi um poeta e escritor da dinastia Liang do Período das Dinastias do Sul e do Norte. A lenda diz que quando ele era bem jovem, a fim de ser um bom escritor Ji Shao Yu estudou muito, porém, infelizmente até que um dia, quando ele estava cochilando em sua escrivaninha, ele sonhou que Lu Chui (um escritor famoso, contemporâneo de Ji Shao Yu) adentrou seu quarto com uma caneta verde jade dizendo: — Essa é uma caneta mágica, por favor, faça bom uso dela. Desde então, suas habilidades de escrita melhoraram muito rapidamente, e ele eventualmente se tornou um literário de destaque. Aqueles que gostavam de suas obras diziam que Ji Shao Yu escrevia seus artigos com uma caneta mágica que produzia flores.
Pano de fundo e comentário
A expressão é usada hoje para parabenizar alguém pela excelente habilidade de escrita dele/dela. Existe outra expressão “Jiang Yan gastou seus …

[Poema Chinês] O verão ainda está longe

O verão ainda está longe Traduzido do espanhol de Miguel ÁngelPetrecca
Um após o outro, passam-se os dias Algo se aproxima de ti na escuridão. Sente-se, caminhe um pouco, Veja as folhas a cair O chuvisco a cair. Uma pessoa passa pela rua, O verão ainda está longe
Tão rápido é, nasce e se esfuma, Todas as boas coisas chegam nas noites de outubro Extremamente belas, despercebidas. Uma calma igual a de seus sapatos Limpos, na beira da cama. O passado é remoto, caloroso, gentil Como uma velha caixa, Como uma carta amarelada em um livro
Um encontro casual, talvez esquecido, Lá fora faz um pouco de frio Minha mão esquerda cansada Tende em segredo, em direção à esquerda. Essa tonta ideia fixa, Longínqua, contudo penetrante. O verão ainda está longe.
Nunca mais, perder por nada a paciência, Nunca mais se apaixonar por nada Retornar às velhas manias, Ano após ano, deprimir-se Casinha de bambu, camisa branca. Não está na flor da sua vida? Uma rara determinação O verão ainda está longe
Bai Hua. 198…

[Poesia Filipina] O oposto da Nostalgia

O oposto da nostalgia
Eric Gamalinda
Você está fugindo de todos Que te amam. Da sua família, Dos antigos amantes, da família
Eles correm atrás de ti, com acúmulos, De uma vida anterior, brincos de cobre, Pratos de macarrão, banners De muitas revoluções perdidas
Você ama dizer que asárvores estão nuas agora, Porque isso nunca acontece, Em seu país. Isso é um mistério Do qual você nunca irá
Se recuperar. E sim, as árvores estão nuas agora, Tudo que ainda respira nelas Permanece silencioso e austero E esperando. Você ama outubro mais do que
Tudo. Como não há palavras, Para tanto esplendor Essa, também é uma fonte De consolo. Entre você e a memória
Tudo é água. Nomes da morte, Ou santos, ou história Há um reino no qual — Não, esqueça isso.
Ainda é muito cedo para fazer alguém entender Um homem com uma estaca, Através de seu próprio coração, E posteriormente, do oposto da nostalgia
Começa a fazer sentido: ele para de juntar as folhas. E as folhas invadem. E de novo ele tem aprendido, A deixar pa…

Resenha do K-Drama Devilish Joy

Annyeong, chingus! Olá, amigos! Fiquei ausente por um longo tempo no blog, tudo devido à semana de provas e trabalhos da faculdade. Peço desculpas a todos por isso e também a compreensão de vocês. Estava com muita saudade de escrever aqui. Espero que também tenham sentido saudade dos meus posts(RISOS). Desde o começo do ano, não assisti muitos doramas. Comecei apenas um, intitulado Go Ho Starry Night, um minidrama de apenas vinte episódios. Apesar de curto, foi um tempo bem empregado. Para quebrar isso resolvi assistir Devilish Joy, tema da resenha de hoje. A sinopse parece super clichê, realmente é. Lembra o filme “Como Se Fosse a Primeira Vez”, embora a produção coreana tenha um diferencial. Comentarei mais à frente. A ideia do protagonista, masculino ou feminino, doente foi utilizada em vários dramas. Não vejam isso como uma reclamação, pois amo temas assim. Por isso, quis assistir. Ou seja, me interessei primeiro pelo enredo. Só depois fui descobrir que o personagem principal seri…

Resenha Kimi no Suizo Wo Tabetai[J-Movie]

Lançamento:28 de Julho de 2017
Diretor: Sho Tsukikawa Gênero: Colegial, Melodrama, Romance, Live Action Duração: 115 min. Áudio: Japonês Legenda: Português - BR Distribuidor: Toho Olá, amantes da cultura asiática! Sentiram saudades de mim? Espero que sim, já que eu e minha xará trazemos ótimas recomendações para vocês(risos). Não sou nenhum pouco convencida, certo? Brincadeiras à parte, vamos ao que interessa. Hoje vou expressar minhas opiniões sobre Kimi No Suizo Wo Tabetai, cujo título em inglês é I Want to Eat Your Pancreas. O J-Movie foi baseado na novel de Yoru Sumino.
A adaptação é contada a partir das lembranças de Shiga, um colega de classe que descobre no chão do hospital o diário de coexistência com a doença, pertencente a Sakura Yamauchi. Esse diário, como o próprio nome sugere, detalha a reação da adolescente ao descobrir sua doença fatal no pâncreas, seus sentimentos em relação a enfermidade e como convive com isso. Se você encontrasse um diário no chão, o que você faria? Opção A: …