Pular para o conteúdo principal

[Fanfic] Hopefully Sky

Domingo de manhã. Sempre começo o dia tocando meu piano, como de costume, é um hobby meu e que me acalma. Eu o toquei por alguns minutos, e depois decidi sair para tomar um pouco de ar fresco, afinal, era um dia de primavera, com as flores de cerejeira circundando a cidade com sua beleza. Aprecio as flores, esboçando um sorriso, naquele meu momento de paz, e alegro-me ao perceber que o cenário ganhou mais vida e cores.
Já que estava caminhando pela cidade, decidi passar em um parque, não muito longe dali, e quando cheguei, ouvi risos de crianças, que se divertiam à beça. Ouvir e ver o sorriso de uma criança é uma alegria enorme para mim, porque ela expressa o que realmente sente, se satisfaz com as pequenas coisas que a vida pode lhe oferecer.
Para elas, somente a ida a um parque é motivo de sorrir, e nada mais é necessário. Acredite, eu sei disso, porque já vi muitas crianças na vida, incluindo as deste parque, mas isso ficou ainda mais evidente quando eu avistei uma garota muito especial e carinhosa. Presumi que ela tinha por volta de uns 6 anos, a julgar pela sua aparência, mas ao contrário das outras crianças que estavam felizes se divertindo, ela estava sozinha e cabisbaixa. Parecia perdida ou algo assim... Perguntei-lhe seu nome e lhe ofereci minha companhia. Ela diz timidamente que se chama Yuna e balança afirmativamente a cabeça, aceitando a minha oferta. Olho ternamente para a menina e sorrio para ela. Carinhosamente, pego em suas mãozinhas pequenas e delicadas e lhe digo:
Venha comigo, pequena Yuna! Vamos nos divertir!
Diante de mim e de minhas palavras, a garotinha arregalou os olhos e se animou completamente. Isso me fez abrir um sorriso ainda maior. Chamei-a e ela me seguiu até o balanço; cada uma de nós em um deles, e conforme nos balançávamos, o sorriso dela aumentava cada vez mais. A ela, parecia que tudo era novo e incrível. Claro que eu estava satisfeita por fazê-la ficar contente, mas sentia que podia e queria fazer algo a mais por ela. Resolvi mostrar-lhe um pouco da minha arte, e logo me juntei a ela para pintar o desenho de um girassol. O tempo passa e logo ela diz:
Tia, estou com fome ela me revela, com os olhos fixos em mim
“Tia”. Ninguém havia me chamado assim antes, mas eu não achei ruim, pelo contrário, me alegrou ser chamada daquela forma carinhosa.
Eu também estou concordei com ela, com a voz amorosa Venha!
Instantes depois eu a levei até uma pequena barraca perto de onde estávamos, e lhe dou uma sobremesa (que criança não ama doces?). Animada, ela logo pegou o doce, sem a mínima hesitação, e mordicava cada pedaço com de forma delicada, mas também com gosto, com vontade, saboreando o havia acabado de ganhar. Logo, faço pequenas bolinhas de sabão, e Yuna corre atrás delas, tentando alcançá-las. Ela corria tão rapidamente que era até difícil de acompanhar, mas vou contar uma coisa a vocês: a energia dela, tal como sua curiosidade, era o que mais me fascinava a cada momento junto a ela. E, apesar de sempre ter gostado de crianças, nunca me apeguei tanto a alguém, quanto com Yuna. E apesar de tê-la conhecido há pouco tempo, ela já havia me cativado, conquistado o meu coração, eu a tratava como se fosse minha, mesmo sabendo que isso seria impossível de se realizar. No fundo, eu sabia que ela tinha uma família, alguém a quem retornar cedo ou tarde, mas eu também sabia que ela foi a melhor coisa já me aconteceu. Ela me deu as esperanças de novo, de que as pessoas tem um bom coração, que ainda pode haver tranquilidade neste mundo, e que o que chama “paz” não é uma mera utopia, mas sim, uma realidade. Era com ela que eu conseguia tudo isso e mais um pouco.
Por isso e por amá-la tanto, é que eu queria fazê-la um pouco mais feliz, queria construir boas memórias a nós duas, mas principalmente a ela. Queria dar-lhe a mesma esperança que ela me dá, queria desfrutar de tudo ao máximo com ela. Então, eu a levei a uma praia que já tinha ido várias vezes. Mostrei-lhe algumas coisas, como conchas por exemplo, e ela ficava encantada. Como eu disse anteriormente, tudo para a garotinha era novo e incrível. Até mesmo naquela simples praia (onde naquela hora só havia nós duas) ela via motivos para correr e se aventurar. Queria descobrir as coisas, mas também desejava aproveitar o quanto pudesse. Eu estava atenta a ela em todos os sentidos, e a seguia prazerosamente. Tiramos fotos de algumas coisas, e também de nós mesmas, porque segundo a garotinha, ela queria guardar de recordação. Trilhamos por mais alguns lugares, e desta vez, era ela quem seguia meus passos alegremente. Depois de um tempinho, decidimos descansar um pouco, e aproveitei para apreciar as cores da primavera junto a ela. Tenho de admitir que as flores me lembram ela: assim como as cerejeiras desabrocham, ela se abriu comigo, e com isso me deu esperança e alegria, tal como as flores colorem os nossos arredores. Mas, de outro lado, assim como a estação termina, e as flores murcham, sentia que o meu tempo com a pequena Yuna estava chegando ao fim, e que depois disso, voltaria a minha vida “normal” (até demais). Ficamos em silêncio por um momento, mas após alguns instantes, me surpreendi com a sua voz doce ao me dizer:
Tia, eu gosto de você! Gosto muito, muito mesmo!
Me emociono com seus dizeres, e como uma criança que pede um abraço, eu me aproximei dela e a abracei carinhosamente. Acariciei seus cabelos lisos e lhe disse:
Eu também gosto muito de você, pequena Yuna! O dia de hoje eu guardarei comigo para sempre no meu coração. Eu te amo como se fosse minha, Yuna!
Tia... Essa foi uma das coisas mais lindas que já me disseram Foi a vez dela se emocionar ao me escutar, e derramar pequenas lágrimas silenciosamente. Eu deixei-a chorar, e tentava lhe acalmar, fazendo carinho nela. Funcionou. Passado alguns minutos, notei que ela já estava mais calma. Sequei as lágrimas que haviam em seu rosto, e depois, lhe disse:
Ei, pequena! Por que não aproveitamos mais um tempinho juntas?
A resposta dela foi um enorme sorriso, de ponta a ponta! Não demorou para que a menina se animasse de novo para nos divertirmos um pouco mais. Não importava quanto tempo a mais daquele dia me restava, o mais importante era fazer Yuna feliz. E isso era o bastante para mim. Acontece que ao fim do dia, ao cair da noite, quando estava caminhando com ela pela cidade, avistamos um homem, que logo sorri para Yuna e estende as mãos, como se dissesse “venha aqui”. A garotinha responde a este gesto de carinho, e corre até o homem, que na verdade julguei ser o pai dela, pela alegria radiante que pude notar no rosto de Yuna ao vê-lo. O pai logo a pega no colo, fazendo a menina sorrir uma vez mais, para que pudessem fazer a volta para casa juntos. Então era isso; Yuna realmente tinha uma família a quem retornar, e eu voltaria a ser apenas quem sempre fui antes de conhecê-la, antes do dia de hoje.
Eu aceno uma última vez a Yuna, e lhe digo, baixinho:
Tchau, pequena, está na hora de nos despedirmos. Tchau, tchau, Yuna. Vá ser feliz
Não sabia se ela tinha me escutado, devido ao meu tom de voz, mas para minha surpresa, ela me ouviu. Desceu do colo do pai, e aproximou-se de mim, dizendo, à beira de lágrimas:
Tia, não quero me separar de você! Não quero que você vá embora e instantes depois a menina começa a chorar novamente. Não contenho as emoções diante da cena à minha frente, e me permito derramar algumas lágrimas também. O pai se emociona, mas nada diz a filha, dando-nos estes últimos instantes de despedida
Eu também não quero me separar de você, Yuna... digo a ela, sinceramente, em meio às lágrimas
Então por que... ela indaga, mas não termina a frase, porque eu a acaricio, e lhe digo, amorosamente:
Você é muito novinha para entender certas coisas, mas uma coisa é certa: Você precisa voltar para o seu pai, Yuna, ele é a sua família. E eu quero te ver feliz, pequena. Porque eu te amo muito, muito, muito! Vá ser feliz e digo tudo de forma solene, e repito a última frase com força, para que ela saiba que eu realmente desejo a sua felicidade. Nos abraçamos com força, uma última vez, e logo,ela olha na direção de seu pai e volta para ele
“Yuna não é minha, afinal”, penso comigo mesma. E após um instante, olho para o céu estrelado, e penso que tudo que passei com ela foram momentos brilhantes como as estrelas. Ela me deu esperança, ela me fez enxergar a vida de forma mais simples alegre, e colorida. Ela, a garotinha de quem jamais esquecerei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Impressões finais do dorama While You Are Sleeping

Annyeonghaseyo chingus! Eu não ia fazer resenha agora sobre While You Are Sleeping, mas o dorama estava tão bom que foi impossível deixar minhas observações para depois. Olha a sorte de vocês kkkkkk Podem ficar tranquilos, a resenha não posssui nenhum grande spoiler, apenas alguns fatos importantes.

Happy Marriage (Episódios Legendados)

Gente, para quem esperou (um bom tempo) aqui está a lista de episódios de Happy Marriage:
Happy Marriage Episódio 1 

[Maratona] Good Morning Call: Our Campus Days – Saiba tudo sobre a segunda temporada deste dorama tão especial

Título: Good Morning Call – Our Campus Days Também conhecido como: Good Morning Call – Segunda Temporada Baseado no mangá de mesmo nome, da autora Takasuka Yue Número de episódios: 10, com média de 45 a 50 minutos de duração Tipo: Live-Action. Gênero: Shoujo, Drama, Romance, Comédia & Escolar País: Japão Onde assistir: Netflix 
1.Introdução e comparativo com a primeira temporada. Desde o ano passado eu estava à espera da segunda temporada de Good Morning Call, e finalmente maratonei 10 episódios de um dia para o outro. A trama me prendeu completamente, e se comparado com a primeira temporada, acho que nesta segunda houve mais profundidade em relação aos sentimentos dos protagonistas e o envolvimento com os demais personagens. Quanto ao triângulo amoroso, esta é outra diferença entre as duas temporadas: na primeira, o triângulo amoroso envolvendo Nao era bem mais evidente, uma vez que o sentimento de Daichi pela menina era algo que cresceu durante anos através da convivência que tinham.…